Embaixada de Portugal no Chile

Ministério dos Negócios Estrangeiros

VOTO ANTECIPADO NAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS 2016

Para os cidadãos portugueses recenseados em Portugal e deslocados no Chile entre os dias 12 e 14 de janeiro, existe a possibilidade de votar antecipadamente nas próximas eleições presidenciais.

A possibilidade de votar antecipadamente junto desta Secção Consular aplica-se aos seguintes eleitores recenseados em Portugal e deslocados no estrangeiro no momento da eleição:
a) Militares, agentes militarizados e civis integrados em operações de paz, cooperação técnico-militar ou equiparadas;
b) Médicos, enfermeiros e outros cidadãos integrados em missões humanitárias como tal reconhecidas pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros;
c) Investigadores e bolseiros em instituições universitárias ou equiparadas, como tal reconhecidas pelo Ministério competente;
d) Estudantes inscritos em instituições de ensino ou que as frequentem ao abrigo de programas de intercâmbio;
e) Os cidadãos eleitores cônjuges ou equiparados, parentes ou afins que vivam com os eleitores mencionados nas alíneas anteriores;
f) Os eleitores doentes em tratamento no estrangeiros, bem como os seus acompanhantes.

E ainda, todos os eleitores não abrangidos pelas alíneas anteriores que, por força da representação de qualquer pessoa colectiva dos sectores público, privado ou cooperativo, das organizações representativas dos trabalhadores ou de organizações representativas das actividades económicas e, ainda, outros eleitores que, por imperativo decorrente das suas funções profissionais, se encontrem em deslocação no estrangeiro e por isso estão impedidos de se apresentarem na respectiva assembleia de voto em território nacional no dia da eleição.

O exercício do voto antecipado para as Eleições Presidenciais 2016 terá lugar entre os dias 12 e 14 de Janeiro. Para votar antecipadamente, será necessário deslocar-se a esta Secção Consular entre as 9h30 e as 17h30, apresentar o documento de identificação e fazer prova do impedimento invocado através de documento assinado pelo superior hierárquico, pela entidade patronal ou outro que comprove suficientemente a existência do impedimento ao normal exercício do direito de voto.

Mais informação no site da Comissão Nacional de Eleições (em particular secção relativa às Perguntas Frequentes):www.cne.pt

Partilhar:
FacebookTwitterGoogle +E-mail